Prefixos de Origem Latina: bem-, ben-; bene-; circum-, circun-; cis-; com-, co-, con-, cor-; contra- 

Março 25, 2015 - Leave a Response

As Vogais

A Língua portuguesa é constituída por numerosos elementos de origem latina e grega na formação das suas palavras. O seu conhecimento facilita-nos a compreensão do seu significado.

Eis alguns exemplos:

1. Prefixos de Origem Latina

 

Prefixo                                                           Significado                              

bem-, ben-                                                    ideia de bem

Ex.: Bem-amado; bendito

 

bene-                                                              a favor de

Ex.: Benefício

 

circum-, circun-                                        mov. à volta de

Ex.: Circum-navegação, circunvalação

 

cis-                                                                  posição aquém

Ex.: Cisalpino

 

com-, co-,  con-, cor-                              companhia, união                     

Ex.: Compor, coabitar, contercorroborar

 

contra-                                                       oposição, proximidade

Ex.: Contra-ataque

(continua)

Sebastião da Gama – Meu País Desgraçado

Março 25, 2015 - Leave a Response

Sebastião da Gama

Meu país desgraçado!…
E no entanto há Sol a cada canto
e não há Mar tão lindo noutro lado.
Nem há Céu mais alegre do que o nosso,
nem pássaros, nem águas …

Meu país desgraçado!…
Por que fatal engano?
Que malévolos crimes
teus direitos de berço violaram?

Meu Povo
de cabeça pendida, mãos caídas,
de olhos sem fé
— busca, dentro de ti, fora de ti, aonde
a causa da miséria se te esconde.

E em nome dos direitos
que te deram a terra, o Sol, o Mar,
fere-a sem dó
com o lume do teu antigo olhar.

Alevanta-te, Povo!
Ah!, visses tu, nos olhos das mulheres,
a calada censura
que te reclama filhos mais robustos!

Povo anêmico e triste,
meu Pedro Sem sem forças, sem haveres!
— olha a censura muda das mulheres!
Vai-te de novo ao Mar!
Reganha tuas barcas, tuas forças
e o direito de amar e fecundar
as que só por Amor te não desprezam!

Sebastião da Gama (Vila Nova de Azeitão, Setúbal, 10/4/1924 – Lisboa, 7/2/1952)
Poeta e professor de Português, colaborador das Revistas: Árvore e Távola Redonda, fundador da Liga para a Protecção da Natureza (1948), licenciado em Filologia Românica.

José-Alberto Marques – A Palavra

Março 25, 2015 - Leave a Response

José-Alberto Marques

A palavra é uma pedra

no prédio desta paisagem

deito comento

 

amasso

 

e o pensamento

constrói

o arranha-céus

da linguagem

 

MARQUES, José-Alberto, A Gramática a Rimar

José-Alberto Marques (Torres Novas, 4/10/1939)
Poeta, romancista, autor de literatura infanto-juvenil e de textos de crítica literária, colaborador em publicações, orientador pedagógico de português.

Herberto Helder – As Rosas

Março 25, 2015 - Leave a Response

Herberto Helder

Sei que os campos imaginam as suas
próprias rosas.
As pessoas imaginam os seus próprios campos
de rosas. E às vezes estou na frente dos campos
como se morresse;
outras, como se agora somente
eu pudesse acordar.

Herberto Hélder (Funchal, 23/11/1930 – Cascais, 24/03/2015)
Poeta, ficcionista, jornalista, bibliotecário, tradutor, apresentaddor de programas de rádio e de televisão.

Locuções Latinas – Motu Proprio; Mutatis Mutandis; Nihil Obstat; Non Plus Ultra; Nota Bene; Numerus Clausus

Março 10, 2015 - Leave a Response

As Vogais

As locuções latinas mencionadas em título continuam a ser utilizadas.
Eis o significado de cada uma delas:

motu proprio ————– por iniciativa própria

mutatis mutandis ——- mudando o que deve ser mudado

nihil obstat —————-  nada obsta

non plus ultra ————-  não mais além

nota bene ——————-  nota bem

numerus clausus ——– número fechado, restrito

(continua)

Miguel Torga – A Nossa Vocação de Arqueólogos

Março 10, 2015 - Leave a Response

Miguel Torga

“Souro Pires, 22 de Outubro de 1955 – Às vezes chego a pensar se não será a nossa vocação de arqueólogos que vai sistematicamente reduzindo Portugal a Ruínas.”

Miguel Torga (São Martinho de Anta, Vila Real, 12/8/1907 – Coimbra, 17/1/1995)
Pseudónimo de Adolfo Correia Rocha.
Contista, poeta, romancista, ensaísta, dramaturgo, um dos mais importantes escritores portugueses do século XX, médico.

Sophia Recebe o Prémio Camões (1999)

Março 9, 2015 - Leave a Response

Sophia Recebe o Prémio Camões

Sophia foi a primeira mulher a receber o Prémio Camões, o maior galardão literário de língua portuguesa, instituído entre Portugal e Brasil em 1988.

Vêmo-la a receber o respetivo diploma das mãos do Presidente da República, Jorge Sampaio em 01 de Dezembro de 1999.

Sophia de Mello Breyner Andresen (Porto, 6/11/1919 – Lisboa, 2/7/2004)
Poetisa, contista, autora de literatura infantil e tradutora, a 1.ª mulher portuguesa a receber o prémio Camões (1999).

Grupos Naturais – Afogar as Mágoas / Afogar em Lágrimas; Agarrar-se; Ajudar à Missa

Março 9, 2015 - Leave a Response

As Vogais

Grupos Naturais – combinação de grupos a dois, associados naturalmente, frequentemente verbo-substantivo, constituindo expressões vulgarizadas pelo uso.

Apresentação de alguns exemplos:

 

VERBO AFOGAR

Afogar as mágoas – esquecer tristezas.

Ex.: Ela viajou para afogar as mágoas.

 

Afogar em lágrimas – sufocar em choro.

       Ex.: Depois do telefonema, a Anita ficou afogada em lágrimas.

 

VERBO AGARRAR

Agarrar-se aos livros (ou ao trabalho) – dedicar-se afincadamente.

Ex.: Não admira que a Teresa seja uma boa aluna, pois leva a vida agarrada aos livros.

 

VERBO AJUDAR

 Ajudar à missa – apoiar tudo o que se diz.

Ex.: O pai zangava-se, e a mãe ajudava à missa.

(continua)

Maria Teresa Horta – Poema da Recusa

Março 8, 2015 - Leave a Response

Maria Teresa Horta

Como é possível perder-te
sem nunca te ter achado
nem na polpa dos meus dedos
se ter formado o afago
sem termos sido a cidade
nem termos rasgado pedras
sem descobrirmos a cor
nem o interior da erva.

Como é possível perder-te
sem nunca te ter achado
minha raiva de ternura
meu ódio de conhecer-te
minha alegria profunda

Maria Teresa Horta (Lisboa, 20/5/1937)
Poetisa, colaboradora de diversos jornais e revistas, pertenceu ao grupo Poesia 61 e aos movimentos cineclubista e feminista.

Ana Hatherly – As Palavras Aproximam

Março 8, 2015 - Leave a Response

Ana Hatherly

As palavras aproximam:
prendem-soltam
são montanhas de espuma
que se faz-desfaz
na areia da fala

Soltam freios
abrem clareiras no medo
fazem pausa na aflição

Ou então não:

matam

afogam

separam definitivamente
Amando muito muito
ficamos sem palavras

Ana Hatherly (Porto, 1929)
Poetisa, ensaísta, romancista, investigadora, tradutora, artista plástica, professora universitária, licenciada em Filologia Germânica e doutorada em Estudos Hispânicos, foi uma das fundadoras do PEN Clube Português e fundou as revistas Escuro-Claro e Incidências.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 41 outros seguidores