Miguel Torga – No Gerês em Agosto – II

“Gerês, 1 de Agosto de 1953

NIRVANA

Paz das montanhas, meu alívio certo.
O girassol do mundo, aberto,
E o coração a vê-lo, sossegado.
Fresco e purificado,
O ar que se respira.
Os acordes da lira
Audíveis no silêncio do cenário.
A bem-aventurança sem mentira:
Asas nos pés e o céu desnecessário.

Gerês, 12 de Agosto de 1955 – Serra. Sempre que me encontro aqui, quando chega este dia, perco-me pelas fragas. Vou fazer anos à Calcedónia, ao Cabril ou à Borrajeira – aos picos mais altos da montanha.(…)

Nota: Miguel Torga nasceu a 12 de Agosto de 1907.

Gerês, 27 de Agosto de 1958

PRENÚNCIO

Na tarde calma, ondula
A invisível ramagem dum poema.
Uma secreta brisa,
Que apenas se adivinha,
Percorre o mundo íntimo das coisas
E acorda em sobressalto
As folhas do silêncio.
Falta ainda o poeta…
Mas a evidência
Da sua voz
É como a luz do sol quando amanhece:
De tão branca, parece
Que descora a ilusão da madrugada…
Antes ele não viesse,
E em cada solidão se mantivesse
Esta bruma de música sonhada.

Gerês. 12 de Agosto de 1962 – O acaso não podia ter-me posto diante dos olhos, neste dia natalício, espelho mais límpido e revelador do que um festivo mastro ensebado onde o rapazito gastou horas a fio o entusiasmo e os fundilhos das calças, na mira de chegar ao cimo e deitar mão à prenda almejada. Há cinquenta e cinco anos que faço o mesmo no trono escorregadio da vida, só eu sei com que tenacidade e que insucesso.

Gerês, 11 de Agosto de 1963 – Sim, conseguem-se às vezes uns momentos de paz no seio destes panoramas privilegiados do mundo.(…)

Gerês, 12 de Agosto de 1965

DESGARRADA

Na sina que me foi lida,
Este dia é sempre assim:
Sol na paisagem da vida,
E sombra dentro de mim.

Gerês, 6 de Agosto de 1966 – A felicidade dos suficientes!
– Eu nunca falhei!
E só lhe pude responder alanceado, como num gemido:
– Pois eu falhei sempre.

Gerês, 2 de Agosto de 1968

REFLEXÃO

Sim, olhar a paisagem…
Olhá-la como um bicho
Ou como um lago.
Olhá-la neste vago
Sentimento
De pasmo e transparência.
Olhá-la na de ciência
Original,
Com olhos de inocência
E de cristal. ”

Miguel Torga (São Martinho de Anta, Vila Real, 12/8/1907 – Coimbra, 17/1/1995)
Pseudónimo de Adolfo Correia Rocha.
Um dos mais importantes escritores portugueses do século XX, galardoado com Prémio Camões em 1989, médico.

Advertisements

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: