Archive for Setembro, 2009

Literatura Africana de Expressão Portuguesa – Pepetela – A Missão de Escritor
Setembro 30, 2009

” A nossa missão enquanto escritores é levantar discussão. Uma pessoa tem que estar sempre preparada para levar umas cacetadas.”

Pepetela (Benguela, 29/10/1941)
Pseudónimo de Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos .
Escritor, distinguido com o Prémio Camões em 1997.
Guerrilheiro do MPLA, político, governante, professor universitário, licenciado em Sociologia.

António Sérgio e a Cultura
Setembro 30, 2009

” A minha cultura não é primacialmente literária, mas sobretudo científica, filosófica, socióloga e pedagógica.
Das literaturas estrangeiras, só contactei deveras com a da Grécia antiga, com a clássica francesa, com o teatro espanhol de seiscentos, com os poetas europeus do séc, XIX.
(…)
Os escritores que mais influenciaram na minha formação intelectual foram filósofos: um Platão, um Descartes, um Espinosa, um Kant…
(…)
Matemática, poesia e música, pareceram-me sempre disciplinas irmãs. As impressões que me causaram certos aspectos da Matemática, criaram em mim uma atitude: a de não confiar na intuição sensível e a de não confundir o inteligível com o imaginável, com o representável. (…)”

António Sérgio (Damão, 3/971883 – Lisboa, 24/1/1969)
Intelectual e pensador.

Jorge de Sena – Envoi
Setembro 29, 2009

Há quantos anos convosco
poetas deste mundo e todos os feitios,
como com tudo quanto seja criação
[humana,
desde as fantasias da carne,
[à contemplação do espaço!
Se vos traduzo para vós em mim,
não é porque vos use para dizer o que não
[disse,
ou para que digais o que não haveis
[dito-
– mas para que sejais da minha língua,
aquela a que pertenço e me pertnece,
e assim nela eu me sinta em todo
[o mundo e sempre,
por vossa companhia.
Pois para quem haveis escrito
senão para que vos ame e queira

Jorge de Sena (Lisboa, 2/11/1919 – St.ª Bárbara, Califórnia, 4/6/78)
Poeta, ficcionista, dramaturgo, ensaísta, crítico, tradutor, professor catedrático, licenciado em Engenharia Civil e doutorado em Letras.

António Ramos Rosa – Escrever e Adiar
Setembro 29, 2009

“Escrevo para não viver sem espaço
para que o corpo não morra na
[sombra fria…”

“Não posso adiar o amor para outro
[século
Não posso
Ainda que o grito sufoque na gar-
[ganta…
Não posso adiar para outro século a
[minha vida
Nem o meu amor
Nem o meu grito de libertação
Não posso adiar o coração…”

António Ramos Rosa (Faro, 17/10/1924)
Poeta, crítico literário, ensaísta, tradutor e desenhador
Marido da poetisa Agripina Costa Marques

José Rodrigues Miguéis – Silêncio
Setembro 25, 2009

“28 de Setembro de 1976

Este meu silêncio é feito de gritos!”

MIGUÉIS, José Rodrigues, in Aforismos e Desaforismos de Aparício

José Rodrigues Miguéis (Lisboa, 9/12/1901 – Nova Iorque, 27/10/1980)
Contista , novelista, romancista, dramaturgo, cronista, membro do Grupo Seara Nova, colaborador dos jornais O Diabo, Diário de Notícias, Diário de Lisboa e República, co-director de Semanário O Globo, tradutor e redactor das Selecções do Reader´s Digest, licenciado em Direito e Ciências Pedagógicas.

Vinicius de Moraes e Irineu Garcia
Setembro 25, 2009

Rio de Janeiro, 1954.

João Miguel Fernandes Jorge – Tempo Giusto
Setembro 25, 2009

Abriu o armário da loiça. Porta de pinho presa de
humidade. As suas mãos
trouxeram, uma a uma, as várias peças de
um fabulário de faiança, azul sobre puríssimo branco.

Serviu-se nessa tarde o último chá,
caiu de um bule
vidrado
para a chávena que trazia as armas de um dos avós;

um dos seus dedos acariciava, sentia a temperatura do
chá, enquanto passava, ao de leve, sobre a ferida
heráldica carregada de um S maiúsculo, honrada com

o arminho de um fugaz pariato.
“Coisas da pequena pátria.” E sorria de um modo
sonhador, “por cinquenta cêntimos o centro do homem funciona”.

João Miguel Fernandes Jorge (Bombarral, 1943)
Poeta, prosador e crítico artístico, licenciado em Histórico-Filosóficas.

António Osório – Sementes
Setembro 25, 2009

“Não antecipes a tristeza
e morrer: não queiras muito
às lagrimas: consola-te
bebendo-as. E sê grato ao dia
em que, vivo, as tragaste.”

António Osório [de Castro] (Setúbal, 1/8/1933)
Poeta, licenciado em Direito.

Maria Albertina Mitelo – Aves
Setembro 25, 2009

Talvez chegadas de onde a manhã
se cumpra no poema as aves existem
e os seus voos desenham na perfeição
o arco só do desejo mais secreto
– o da casta como as corolas puras –
qual sede da alma a palavra aflore
os lábios que a vos contemplam
assim pródigo e perenemente como
o manancial da água que escorre

MITELO, Maria Albertina, in O Corpo das Aves

A Palavra Política e Outras Companheiras
Setembro 25, 2009

– POLÍTICA
Etimologicamente, provém do grego politiké, composto de polis, a cidade.

“Política é a arte de governar os estados e regular as nações que existem entre eles… Esperteza, finura, maquiavelismo.”

– DEMOCRACIA
Proveniente da aglutinação das palavras gregas dêmos, povo, e kratein, dirigir, significando o governo do povo.

– ARISTOCRACIA
Provém da aglutinação das palavras gregas áristos, o melhor, e kratein, dirigir, e significa o governo dos melhores.