Archive for Janeiro, 2014

José Saramago – Saber Quem Sou
Janeiro 26, 2014

José Saramago by lusografias

“Quero encontrar a ilha desconhecida, quero saber quem sou eu quando nela estiver (…)
Se não sais de ti, não chegas a saber quem és”

SARAMAGO, José, Conto da Ilha Desconhecida

 

José Saramago (Azinhaga, Golegã, 16/11/1922 – Lanzarote, 18/06/2010)
Romancista, contista, poeta, dramaturgo, argumentista, jornalista, galardoado com o Prémio Camões em 1995 e com o Prémio Nobel de 1998.

 

Anúncios

José Mattoso – Portugal
Janeiro 26, 2014

José Mattoso by lusografias

“Portugal é irredutível e simultaneamente uno e múltiplo”

MATTOSO, José, Identificação de um País, (Prefácio)

José Mattoso (Leiria, 22 de Janeiro de 1933)
Historiador medievalista, autor de obras de investigação historiográfica e ensaios, dirigiu a elaboração de uma História de Portugal, professor universitário, doutorado em História Medieval.

Luís Quintais – As Imagens
Janeiro 25, 2014

Luís Quintais by lusografias

Ferida está a face dos livros pela luz.
O mundo é já sem rima.
Os versos sucedem-se sem ordem.
As ruínas são ameaçadas
pelo som de quem as devolve
somente como imagens dentro de imagens.

QUINTAIS, Luís, Depois da Música

Luís Quintais (Luena, Angola, 19/8/1968)
Escritor, galardoado com prémios de poesiaa nos anos de 1995 e 2005 (dois), antropólogo, professor na Universidade de Coimbra.

António Ramos Rosa – Linguagem
Janeiro 24, 2014

António Ramos Rosa by lusografias

“Penso numa linguagem desconcertantemente simples, falsamente transparente, um pouco tosca. Térrea e pétrea . E aí brilha uma lâmpada, uma pedra, o ar. Uma linguagem de restituição.”

António Ramos Rosa (Faro, 17/10/1924 – Lisboa, 23/09/2013)
Poeta, crítico literário, ensaísta, tradutor e desenhador
Marido da poetisa Agripina Costa Marques.

Almada Negreiros – Inventar as Palavras
Janeiro 24, 2014

Almada Negreiros by lusografias

“Nós não somos do século de inventar as palavras. As palavras já foram inventadas.

Nós somos do século de inventar outra vez as palavras que já foram inventadas.”

Almada Negreiros (Trindade, S. Tomé, 7/4/1893 – Lisboa, 15/6/1970)
Artista multifacetado, desenhador e pintor, ensaísta, dramaturgo, romancista e poeta, colaborador da Revista Orpheu com Fernando Pessoa e Mário de Sá Carneiro e fundador de alguns jornais.

João de Deus – O Dinheiro
Janeiro 23, 2014

João de Deus by lusografias

O dinheiro é tão bonito,
Tão bonito, o maganão!
Tem tanta graça o maldito,
Tem tanto chiste o ladrão!
O falar, fala de um modo…
Todo ele, aquele todo…
E elas acham-no tão guapo!
Velhinha ou moça que veja,
Por mais esquiva que seja,
Tiim!
Papo.

E a cegueira da justiça
Como ele a tira num ai!
Sem lhe tocar com a pinça;
É só dizer-lhe:—Aí vai…
Operação melindrosa,
Que não é lá qualquer cousa;
Catarara, tome conta!
Pois não faz mais do que isto,
Diz-me um juiz que o tem visto:
Ti im !
Pronta.

Nessas espécies de exames
Que a gente faz em rapaz,
São milagres aos enxames,
Sem saber nem patavina
De gramática latina,
Quer-se um rapaz dali fora?
Vai ele com tais falinhas,
Tais gaifonas, tais coisinhas…
Ti im!
Ora…

Aquela fisionomia
E lábia que o demo tem!
Mas numa secretaria
Aí é que é vê-lo bem!
Quando ele, de grande gala,
Entra o ministro na sala,
Aproveita a ocasião:
«Conhece este amigo antigo?
— Oh meu tão grande amigo!»
(Tiim!)
Pois não!

João de Deus (S. Bartolomeu de Messines, 8/3/1830 – Lisboa, 11/1/1896)
Poeta lírico, jornalista, tradutor, pedagogo, autor da Cartilha Maternal, licenciado em Direito.

Eugénio de Andrade – O Poeta
Janeiro 20, 2014

Geninho by lusografias

“(…) esse ser sedento de ser, que é o poeta, tem a nostalgia da unidade, e o que procura é uma reconciliação, uma suprema harmonia entre luz e sombra, presença e ausência, plenitude e carência.”

ANDRADE, Eugénio de, Antologia Breve

Eugénio de Andrade (Póvoa de Atalaia, Fundão , 19/01/1923 – Porto, 13/06/2005)
Pseudónimo de José Fontinhas.
Poeta de renome internacional, tradutor, prosador, autor de literatura infantil, antologista, detentor de diversos prémios literários, nomeadamente o Prémio Camões em 2001.

João de Araújo Correia – A Pronúncia e a Poesia
Janeiro 14, 2014

João de Araújo Correia by lusografias

“Pronúncia é poesia.
Casa palavra pronunciada é uma rosa… singela.
Perderia a graça, perderia a inocência, se trouxesse presa, numa etiqueta de zinco, a história da família.”

CORREIA, João de Araújo, A Língua Portuguesa

João de Araújo Correia (Canelas do Douro, Peso da Régua, 1/1/1899 – Peso da Régua, 3/12/1985)
Contista, novelista, colaborador de jornais e revistas, linguista, médico e professor.

Hélia Correia – O Amor
Janeiro 14, 2014

Hélia Correia by lusografias

” (…) o amor é uma coisa rara, difícil de encontrar; e que só aparece a poucos, por acaso, e uma vez por século, se tanto, como outros fenómenos igualmente inexplicáveis, aqueles de elevar-se alguém nos ares ou de um analfabeto citar Cícero em correcto latim.”

CORREIA, Hélia, A Fenda Erótica

Hélia Correia (1949)
Ficcionista, poetisa e dramaturga, licenciada em Filologia Românica, ex-professora do Ensino Secundário.

Maria Teresa Horta – Destino dos Anjos
Janeiro 12, 2014

Maria Teresa Horta by lusografias

Queria saber
do destino dos anjos

quando voam
no mar
dos nossos olhos

No céu líquido
dos olhos
das mulheres

HORTA, Maria Teresa, Antologia Poética

Maria Teresa Horta (Lisboa, 20/5/1937)
Poetisa, colaboradora de diversos jornais e revistas, pertenceu ao grupo Poesia 61 e aos movimentos cineclubista e feminista.