Archive for Fevereiro, 2014

Natércia Freire – Quente, o Teu Coração Quente
Fevereiro 14, 2014

Natércia Freire by lusografias

Quente, o teu coração quente
pulsa no lusco-fusco.
Palpita em toda a casa
deserta que nos vê.
Galga as sacadas altas,
corre nas avenidas.
É o silêncio do amor
que abre as veias na tarde…

Quente, o teu coração quente,
é uma estrela no escuro
que a pele das tuas mãos
prolonga em minha pele…
quem te amou e é já morto
renova a primavera.

Oh! doce comunhão
de desejo e infinito,
de saudades e de céu,
de paraíso e grito!

Água clara e tremente
a boca, a sede, a fonte.
Flor de sangue à corrente
o teu coração quente.

Natércia Freire (Benavente, 28/10/1920 – Lisboa, Dezembro de 2004)
Poetisa, prosadora, colaboradora em diversas publicações, conferencista, compositora musical, professora do ensino primário.

Olga Gonçalves – Sonhar Portugal
Fevereiro 14, 2014

Olga Gonçalves by lusografias

“Desde que Freud nos ensinou que sempre que sonhamos estamos a delirar, devo dizer-te que sonho que, de um Portugal caduco, podemos fazer um Portugal mais preparado e mais forte.
Andamos, por enquanto, à procura de uma consciência. O importante será que todos nos empenhemos usando os utensílios que podemos manejar.

Será então o momento de dizeres que deliro, só que posso recordar-te a Guernica de Picasso (eu, sempre, com o Picasso), a simbologia do cavalo caduco do qual nasce um outro cavalo, novo e alado, e que sabemos teve o nome de Pégaso. (…)”

In JL, s/ data, entrevista a Cecília Barreira

Olga Gonçalves (Luanda, 1929 – Lisboa 3/4/2004)
Poetisa, romancista, contista, tradutora, professora de Inglês.

Jorge Amado – Gabriela, Cravo e Canela
Fevereiro 14, 2014

Jorge Amado by lusografias

“Com “Gabriela” eu procurei mostrar, através de uma história de amor, a transformação da sociedade: as leis de ordem feudal, por influência do movimento económico, dos acontecimentos sociais, da evolução da mentalidade dos homens, caducam e um novo relacionamento social se faz sentir.

Foi um livro muito feliz por ser uma história de amor, de forma que o povo gosta.

Era uma coisa que eu queria há muito escrever.”

In JL  s/ data (1986?)

Jorge Amado (Itabuna, 10/8/1912 – Salvador, 6/8/2001)
Romancista, poeta, dramaturgo, cronista, jornalista.
Distinguido com o Prémio Camões em 1994.

Nuno Júdice – Prosa Pura
Fevereiro 14, 2014

Nuno Júdice by lusografias

“Não mais voltarão as estações a pontuar com o seu ritmo o longo
verso. Interrompido, assemelha-se a uma raiz. E a frase, perdendo altura,
fica ao nível dos lábios, pura prosa.”

JÚDICE, Nuno, A partilha dos mitos

Nuno Júdice (Mexilhoeira Grande, Algarve, 1949)
Escritor, poeta, ensaísta, colaborador em várias publicações, professor catedrático.

Nuno Camarneiro – A Escrita
Fevereiro 14, 2014

Nuno Camarneiro by lusografias

” A escrita é precisa e flui sem ceder à facilidade, mas refletindo a consciência de um jogo entre o desejo de chegar ao seu destinatário, o leitor, e um recurso mínimo a artifícios retóricos em que só uma sensibilidade poética eleva e salva a banalidade e os limites do quotidiano.”

In JL, 3 a 16 de abril de 2013

Nuno Camarneiro (Figueira da Foz, 1977)

Escritor, vencedor do Prémio Leya, 2012, licenciado em Engenharia Física, investigador da Universidade de Aveiro, doutorado em Ciência Aplicada ao Património Cultural.

Nuno Bragança – O Descobrimento de Portugal
Fevereiro 14, 2014

Nuno Bragança by lusografias

“(…) Penso que falta aos portugueses o Descobrimento de Portugal. Fatta “cumprir-se Portugal”.

In Jl Ano II n.º 35 de 22 de Junho a 5 de Julho de 1982.

Nuno Manuel Maria Caupers de Bragança (Lisboa, 12/2/1929 – Lisboa, 7/2/1985)
Romancista e contista, colaborador em publicações, crítico cinematográfico, diplomata e combatente clandestino, pioneiro da caça submarina em Portugal, praticante de boxe, licenciado em Direito.

Nélida Piñon – As Primeiras Histórias
Fevereiro 14, 2014

Nélida Piñon by lusografias

“(…) Foram umas histórias pequenininhas numas folhinhas de papel que eu costurava e nas quais também fazia desenhos. Era exemplar único: eu fazia, o meu pai comprava e guardava.
Agora histórias mesmo, com um tom narrativo, comecei a contar a partir dos 12 anos.”

In JL de 26 Outubro – 8 Novembro 2005

Nélida Piñon (Rio de Janeiro, 03/05/1937)

Romancista, contista, cronista, ensaísta, autora de literatura infanto-juvenil, licenciada em Jornalismo, primeira mulher a ser eleita presidente da Academia Brasileira de Letras.

Luís de Camões – O Amador e a Coisa Amada
Fevereiro 14, 2014

Luís de Camões by lusografias

“Transforma-se o amador na coisa amada
por virtude de tanto a imaginar.”

Luís de Camões (1517 e 1524(?) – Lisboa. 10/6/1580)
O maior poeta português de todos os tempos.

António Torrado – Escrever
Fevereiro 12, 2014

António Torrado by lusografias

“(…) Escrever corresponde a isso: se quiseres conhecer a mundo ou dar a conhecer os mundos que te habitam, descreve-os . (…) “

Excerto de Entrevista in Jornal de Notícias, 1995

António Torrado (Lisboa, 21/11/1939)
Poeta, dramaturgo, contista, destacado autor de literatura infantil e juvenil, professor, pedagogo, jornalista, licenciado em Filosofia.

Isabel Stilwell – A Vergonha
Fevereiro 12, 2014

Isabel Stilwell by lusografias

“Gosto imenso de pessoas tímidas. (…) são os tímidos, os tímidos convictos, que têm a minha admiração. Não se impõem aos outros à força; quando falam, geralmente é porque têm qualquer coisa de importante para dizer; ouvem as nossas histórias até ao limite da paciência e são o ombro em que mais apetece chorar.

Normalmente são muito mais sábios porque perderam mais tempo a observar o que se passa à volta – e conseguiram fazê-lo sem serem notados.”

STILWELL, Isabel, Jornal de Notícias, 1995

Isabel Stilwell
Romancista, contista, autora de literatura infantil, jornalista.