António Quadros – Ode à Alegria

António Quadros

Na hora matinal do ser,
a face diurna
no tempo da infância
eu canto a alegria, eu canto a alegria.

Alegria de estar vivo
e ser a seiva a brotar
e ser a vida a brotar
e ser o impulso viril
que abre os caminhos, que sobe as montanhas,
que descobre outra vez o que já fora esquecido
que refresca, que renova, que retoma
e dá o passo que ainda não fora dado.
Na hora matinal do ser,
no riso da criança,
no sorriso do velho,
o mundo nasce outra vez,
o homem separa-se da argila,
regenera-se o ímpeto criador
e a alma humana, genesíaca,
levanta ao alto o universo.
Na hora matinal do ser,
na gargalhada do jovem,
no canto da mãe,
desvela-se, da terra, o enigma,
revela-se, da água, o segredo,
mostra-se, do ar, o sentido
e descobre-se, do fogo, o mistério,
não decerto por razões e por conceitos,
mas sim por dizer sim,
Senhor, sim, sim
na confiança,
na euforia,
na esperança
e na alegria que brota, espontânea,
do diálogo franco,
dos olhos nos olhos,
das mãos estendidas,
das vozes sinceras,
a infância revivida
na idade transcendida.
Na hora matinal do ser,
na face diurna,
inesperada e fugaz surge a alegria,
fugaz e breve,
rápida como um clarão,
aleatória,
surpreendente,
ela chega não sei de que esferas longínquas,
atravessando não sei que paragens sombrias…
No seio da viscosa indiferença,
no ritmo mecânico da árida utilidade,
na perversão do vício
ou no sacrifício sem grandeza,
na própria câmara asfixiante do sofrimento,
para além das mil máscaras da dor,
nos olhos febris do doente,
nos olhos ardentes do revoltado,
nos olhos cansados do vencido,
nos olhos fugidios do humilhado,
nos olhos desesperados do escravo,
nos olhos vazios do miserável,
ela nasce,
espontânea e fugaz,
flor da rocha,
flor da lama,
flor absurda em terra absurda,
e desabrochando, radiante,
ainda que só por um instante,
vem trazer à corrupção
o protesto da vida,
a afirmação do ser,
o sinal da perene mocidade do mundo,
o signo da renovação
o signo da ressurreição.
Na hora matinal do ser
– a manhã renasce em todos os momentos – ,
na face diurna
– depois da noite, sempre o dia chega -,
no tempo da infância
– a infância é eterna -,
Perdoai-me, Senhor,
eu canto a alegria, eu canto a alegria,
eu canto a alegria…

QUADROS, António,  Imitação do Homem

António Quadros (Lisboa, 14 de Julho de 1923 – Lisboa, 21/3/1993)
Poeta, romancista, contista, autor de literatura infanto-juvenil, pensador, crítico e professor, co-fundador das revistas: Acto, 57 e Espiral e do Instituto Luso-Brasileiro de Filosofia, licenciado em Histórico-Filosofóficas – filho dos escritores Fernanda de Castro e António Ferro, pai da escritora Rita Ferro.

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: