Acácio de Paiva – A Gata e a Boneca

acacio-de-paiva

Tinha a menina Loló
Uma sábia bonequita:
Aquilo, bastava só
Puxar a gente uma guita
Que lhe pendia por trás,
Sob o vestido de lã,
Para abrir a boca e zás!
Dizer papá e mamã!

Ora a Loló também tinha
Uma gata(era maltesa).
Essa porém coitadinha,
Era muda com certeza.
Miava apenas: mais nada.
De maneira que a pequena
Andava desanimada,
Até chorava com pena!

Um dia pensou: “Talvez
A doença tenha cura…”
(A doenaça era a mudez
Da citada criatura).
Se o mesmo fizer à gata
Que à mona, quem sabe lá
Se a língua se lhe desata
E diz mamã e papá.

Dito e feito.  A pequerrucha.
Quando a bichana dormia,
Puxou-lhe a cauda gorducha:
Dois saltos fenomenais,
Uma forte arranhadela.
E… quem chamou pelos pais
Não foia a gata. — foi ela!

Desde então a Loló, se passa
Ao pé dum gato ou dum cão,
Não lhe toca nem por graça
Pois lhe serviu a lição.
Não compreende porém,
Qual venha a ser, afinal,
A serventia que tem
A cauda de um animal…

Acácio de Paiva (Leiria, 14/4/1863 – Ourém, 29/11/1944)
Poeta, prosador, crítico, jornalista, humorista, licenciado em Farmácia.

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: