Natércia Freire – Cor

Natércia Freire

É preciso soltar o ritmo que me prende.

Esta amarra de ferro à palavra e ao som.

Emudecer, no espaço, o arco e a corrente

E ser nesta varanda um pouco só de cor.

Não saber se uma flor é mesmo uma criança.

Se um muro de jardim é proa de navio.

Se o monumento fala, se o monumento dança.

Se esta menina cega é uma estátua de frio.

Um pássaro que voa pode ser um perfume.

Uma vela no rio, um lenço no meu rosto.

Na tarde de Fevereiro estar um dia de Outubro.

Nos meus olhos de morta uma noite de Agosto.

É preciso soltar o ritmo das marés,

Das estações, do Amor, dos signos e das águas,

Os duendes das plantas, os génios dos rochedos

Nos cabelos do Vento, as tranças de arvoredos.

Desordenai-me, luz!  Que nada mais dependa

Das águas, das marés, dos signos e do Amor.

É preciso calar o arco e a corrente

E ser nesta varanda um pouco só de cor.

 

Natércia Freire (Benavente, 28/10/1920 – Lisboa, Dezembro de 2004)
Poetisa, prosadora, colaboradora em diversas publicações, conferencista, compositora musical, professora do ensino primário.

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: