António Gil – O Silêncio

O silêncio em relevo
nos versos em que me teço
é a corda em que tropeço
enleado no que escrevo

e a voz que me enleia
entretecida hesita
entre os sentidos da escrita
e os da voz que a premeia

e nesse intervalo denso
entre o andar e o cair
já nem logro distinguir
entre o que sinto e o que penso

In Rio de Doze Águas

 

António Gil (Angola, 1963)
Poeta e prosador, Prémio Revelação de Poesia, 1990

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: