Maria Assunção Vilhena – Em Sines, “A Banhos” (Continuação)

Maria Assunção Vilhena

” (…) Duas ou três voltas à manivela, o motor a roncar, um último aviso à miudagem para que se sentassem no estrado da carroçaria e não se levantassem com viatura em andamento e “ala que se faz tarde…”

Algumas paragens breves apenas para colhermos alguns figos das muitas figueiras que bordavam a estrada (algumas ainda lá estão) e acenadas para o fogareiro a carvão (cascos e marvalha), uma hora depois já estávamos a descarregar os tarecos.

Era na Rua de Ferreira a que chamávamos Estrada de Santiago, numa casita do Chico Ferrador, que além da oficina de ferrador com tronco para ferrar bois, tinha cavalariça para recolha de animais que pagavam a argola, espaço para estacionamento de carros e casas para alugar a banhistas. Na frente morava a senhora Chica Laranjinha e duas senhoras que costuravam para fora, e que também alugavam quartos no Verão.

A nossa “casa de férias” compunha-se de três minúsculos assoalhadas, sem água, sem esgotos, sem luz, quase sem ar…

Do lado da rua, ficava o quarto dos pais (o único que tinha janela) e a sala da entrada que era, ao mesmo tempo, sala de refeições e de visitas e, à noite, quarto do Chico, iluminada pela porta ou pelo postigo, quando ela estava fechada.

Do lado do quintal, com o qual não comunicava, nem sequer por uma fresta, estava o quarto das raparigas, bastante escuro e a cozinha, iluminada por uma telha de vidro e arejada pelas telhas soltas e pela chaminé. Essa luz e esse ar compartilhava-os a cozinha com o nosso quarto, pela porta que tinha de se manter aberta…

Era na cozinha que se empilhavam os víveres, o carvão, os cestos, os caixotes que também serviam de bancos. Aí se grelhava ou fritava o peixe, alimento principal naquela altura do ano e naquela terra, enchendo o ambiente de fumo, que picava os olhos, e de cheiros desagradáveis, que impregnavam a roupa, os móveis, as paredes…

O resto da casa era um buraco escuro, entre a cozinha e o nosso quarto, sem ventilação, onde uma panela de barro servia de sanitário.  Em Sines também havia a imunda carroça de despejos. (…)

No dia seguinte ao da nossa chegada, o meu pai apareceu com uma rede de pesca castanha; com a minha mãe, aproveitaram a parte melhor e suspenderam-na na porta exterior, à laia de reposteiro, para evitar que as moscas entrassem. Todas as casas modestas estavam assim protegidas dos enxames que infestavam a vila. (…)”

(continua)

VILHENA, M. Assunção, Gente do Monte

 

Maria Assunção Vilhena (Santiago de Cacém)
Concluiu o Curso de Professora do Ensino Primário em 1948, posteriormente licenciou-se em Filologia Românica e lecionou Francês na sua terra natal.
Dedicou-se ao estudo da Etnologia da Beira-Baixa e editou obras neste âmbito.

 

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: