Alberto de Serpa – Poema III

Alberto de Serpa

Como tu embriagas!

Vens, ó Poesia!, ou tumultuosa ou mansa,

Cerras o nosso olhar a estes tempos em chagas,

E canta dentro em nós uma esperança.

És uma irmã que deixa

A fresca mão na nossa testa ardente,

Depois da luta que engrandece a queixa

Que temos sempre contra tanta gente.

És aquela que chega

— Se o tédio em nossas almas se insinua —

Sempre fácil e pronta para a entrega

Mais total e mais nua.

És tu, poesia, quem

— Quando nos prendem boca, mãos e pés —

A coragem raivosa nos mantém,

Ciciando-nos: “Talvez…”

Que bem hajas! Aqui

E em toda a parte, nossos passos guia!

Por cada hora, sejamos mais de ti,

E tu, mais nossa, Poesia!

 

Alberto de Serpa (Porto, 12/12/1906 – 8/10/1992)
Poeta, novelista, ensaísta, o “Primeiro Poeta Português de Poesia Livre”, secretário da Presença e da Revista de Portugal, que fundou com Vitorino Nemésio.

Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: