Alexei Bueno – Prodígio

Alexei Bueno

Oh flor, oh muro,

Vós ambos sois.

Ser, este é, pois,

O liame obscuro

Que há em vós. O puro

Elo. Depois,

Se se erguem sóis,

Se se alça o escuro,

Que importa? Estais,

Seiva, argamassa,

Aqui. Jamais

Sereis mais que isto

Que é, que não passa.

Oculto e visto.

 

Alexei Bueno (Rio de Janeiro, 26/4/1963)
Poeta, ensaísta, editor, antologista, tradutor.

Advertisements

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: