José de Alencar – A Poesia

“A poesia, como todas as coisas divinas, não se define; uma palavra a exprime, porém mil não bastam para explicá-la. (…)”

ALENCAR, José de, Iracema, “Cartas sobre A Confederação dos Tamoios”, Quarta Carta

José de Alencar (Fortaleza, 1/5/1829 – Rio de Janeiro, 12/12/1877)
Romancista, cronista, dramaturgo, crítico, jornalista, orador, polemista, político, advogado.

Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: